13/06/2016

O LURA foi selecionado através do edital da FAPERJ intitulado FLUTEC - Parques Fluminenses de Tecnologia, junto com o Instituto Vital Brazil, com o projeto "Desenvolvimento de formulação oral dispersível para o tratamento de tuberculose infantil".

O Laboratório foi contemplado com 2 milhões de reais para obras de adequação de sua estrutura física no que tange desenvolvimento de formas sólidas orais, controle de qualidade, salas de aula, e adaptação para posterior acreditação junto ao INMETRO.

Em breve estaremos divulgando mais detalhes sobre o projeto.

13/06/2016

Comunicamos aos alunos pré-selecionados que recebemos o resultado do número de bolsas a serem disponibilizados para o LURA pela UFF. De um total de 6 bolsas, conseguimos 3 bolsas de extensão.

Dessa maneira, foram chamados os seguintes alunos para os projetos abaixo:

Lívia Nunes Barros - Desenvolvimento de formulações sólidas orais de extrato seco de plantas preconizadas do SUS;

Vanessa Barbosa - Avaliação da qualidade de medicamentos do SUS, como instrumento de controle de agravo de doenças na cidade de Niterói;

Bruna Figueiredo - Avaliação de equivalência farmacêutica de medicamentos disponíveis no mercado.

Os alunos que não forem chamados nesta etapa estão na lista preferencial, tendo em vista que estamos viabilizando outras bolsas para atendimento a necessidade do nosso Laboratório.

Agradecemos a compreensão de todos.

15/04/2016

LURA PARTICIPA COM INSTITUTO VITAL BRAZIL NO DESENVOLVIMENTO E REGISTRO DE MEDICAMENTO PARA UMA DOENÇA NEGLIGENCIADA

O LURA participou com o IVB no desenvolvimento de um medicamento para uma doença infantil negligenciada no país chamada de síndrome da deficiência de biotinidase, para registro junto à ANVISA. A forma farmacêutica desenvolvida é um comprimido de biotina de 10mg dispersível por via oral. A ideia é que este medicamento seja disponibilizado no SUS através de sua fabricação junto ao IVB.

 

- Sobre a síndrome: 
A biotinidase é uma enzima hidrolase de fundamental importância no metabolismo da biotina. Sua função é liberar a biotina ligada covalentemente à proteína (dieta) ou aos peptídeos (biocitina). A deficiência de biotinidase, é, portanto, uma enfermidade metabólica. Sua deficiência causa quadro clínico compatível com o que se conhece como deficiência múltipla das carboxilases, responsáveis pela síntese de ácidos graxos, catabolismo de aminoácidos, e pela gliconeogênese (rota pela qual é produzida a glicose).

A idade de início dos sintomas pode variar de uma semana a dois anos de idade. É de difícil diagnóstico e pode desencadear convulsões, erupções na pele, perda da audição e problemas de fala. A doença é diagnosticada através do Teste do Pezinho. Como o papel da biotinidase é apenas separar a vitamina dos alimentos da dieta, basta oferecer ao organismo a vitamina já isolada e ela será metabolizada normalmente. Portanto, para o tratamento é feita a ingestão por via oral de uma dose diária de biotina. A criança portadora da deficiência total da enzima recebe biotina 10mg/dia oralmente desde 41 dias de vida.

Quer saber mais sobre a síndrome? Separamos dois links de artigos:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101998000200007&lang=pt

http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0325-00752014000500018&lang=pt

14/04/2016

Comunicamos a todos que se candidataram às vagas para 2016 no LURA, que até o momento não temos o número total de bolsas disponibilizadas para atendimento à nossa necessidade.

Por essa razão, não divulgamos até o momento os resultados das entrevistas realizadas.

Agradecemos a compreensão de todos.